Sintomas trombose

Trombose: o que é, sintomas, causas e dicas para prevenção

Você já ouviu falar em trombose? Sabe o que é a trombose o quais os sintomas de trombose mais comuns?

A trombose ocorre quando há formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias grandes das pernas, coxas, abdominais, dos braços ou até mesmo do cérebro.

Esse coágulo bloqueia o fluxo de sangue e um dos sintomas de trombose é o inchaço e dor na região afetada.

O problema maior é quando um coágulo se desprende e se movimenta na corrente sanguínea, em um processo chamado de embolia, que pode ser cardíaca ou pulmonar.

Continue lendo para saber tudo sobre o que é trombose e saiba como prevenir!

O que é a trombose?

tombose o que sintomas condicao seria
A trombose é uma condição séria

A trombose é uma condição que ocorre quando um coágulo sanguíneo se forma em uma veia localizada. 

Um coágulo sanguíneo é geralmente uma resposta física normal a uma lesão.

Ele rapidamente forma um tampão que pode reduzir ou prevenir o sangramento. No entanto, um trombo pode causar graves problemas de saúde, pois interrompe a função de um vaso sanguíneo.

Normalmente, coágulos sanguíneos nas veias profundas se formam na coxa ou na perna, mas também podem se desenvolver em outras áreas do corpo.

Uma seção de um coágulo sanguíneo que se liberta do trombo e circula na corrente sanguínea é chamada de êmbolo.

Um êmbolo se move através do sistema vascular até se alojar em uma parte diferente do corpo.

Um êmbolo é uma complicação perigosa e potencialmente fatal da trombose. É especialmente perigoso se atingir o coração, pulmões ou cérebro (embolia).

Os médicos categorizam os trombos com base no tipo de vaso sanguíneo em que se desenvolvem:

  • Quando um trombo se forma em uma artéria, como no coração ou no cérebro, é chamado de trombose arterial.

  • Quando ocorre um trombo em uma veia, é denominado trombose venosa. Quando isso acontece nas veias profundas da perna, do braço, do abdômen ou mesmo do cérebro, é denominado trombose venosa profunda (TVP).

Outros nomes associados a essa condição podem incluir tromboembolismo, síndrome pós-trombótica e síndrome pós-flebítica.

Por que a trombose pode matar?

trombose o que e sintomas por que pode matar

Os coágulos sanguíneos podem matá-lo ao mover-se para os pulmões e bloquear o fluxo sanguíneo.

Às vezes, o sangue coagula e forma “tampões” (trombos) que ficam alojado nas veias ou artérias, uma condição conhecida como trombose.

Como explicamos, um trombo pode se desprender das paredes das veias ou artérias e viajar pela corrente sanguínea. O trombo solto no sistema circulatório é chamado de êmbolo.

O coágulo ou êmbolo solto na corrente sanguínea pode viajar até as veias de menor calibre do pulmão, ou do coração.

Se o coágulo chegar aos pulmões e ficar preso nos pequenos vasos sanguíneos pulmonares, recebe o nome de embolia pulmonar (EP). Em 30% dos casos, o primeiro sinal de EP é a morte.

Um coágulo de sangue pode se dividir em vários êmbolos ao mesmo tempo. Consequentemente, muitos vasos sanguíneos pulmonares podem ser bloqueados simultaneamente.

Quando mais de 50% da circulação pulmonar é repentinamente bloqueada, a pressão volta para o ventrículo direito do coração, que então tem que trabalhar mais.

O ventrículo funciona mal contra uma obstrução repentina. Não é capaz de gerar uma pressão mais alta, então, em vez disso, dilata.

Com isso, um dos sintomas da trombose é o de que o coração ainda recebe estimulação elétrica, mas não bate. O débito cardíaco cai tão rapidamente que a morte ocorre quase imediatamente.

Os trombos também podem chegar às veias do cérebro, hemorroidas ou veias renais.

Nesses casos, a trombose pode não levar à morte, mas pode causar derramamentos de sangue (derrame) no órgão e deixar sequelas graves.

Quais são os tipos de trombose?

trombose o que e sintomas quais sao tipos

A trombose pode se manifestar de diversas formas, causando diversos problemas diferentes. Existem diversos tipos de trombose, aqui estão as mais comuns:

Trombose arterial

A trombose arterial é um coágulo sanguíneo que se desenvolve em uma artéria. 

A trombose arterial é muito menos comum do que a trombose venosa, embora apresente riscos semelhantes. 

As veias são responsáveis ​​por levar sangue e oxigênio a diferentes partes do corpo. O sangue está normalmente sujeito a pressão mais alta quando está viajando nas veias e pode estar se movendo mais rapidamente. 

Portanto, é menos provável que coagule nas artérias.

Enquanto a trombose venosa normalmente causa inchaço e congestão de fluidos em uma área, a trombose arterial pode fazer com que o tecido corporal fique sem sangue e oxigênio

Isso pode levar à necrose do tecido. Uma trombose ou embolia na artéria coronária pode causar um ataque cardíaco. Se o suprimento de sangue para o cérebro for interrompido, o paciente pode sofrer um derrame.

É perigoso, pois pode obstruir ou interromper o fluxo de sangue para os principais órgãos, como o coração ou o cérebro.

Se um coágulo sanguíneo estreita uma ou mais artérias que levam ao coração, pode ocorrer dor muscular conhecida como angina.

Os sintomas da trombose, portanto, dependem de onde o coágulo sanguíneo se formou.

A maioria dos casos de trombose arterial é causada quando um processo chamado aterosclerose danifica uma artéria.

Depósitos de gordura se acumulam nas paredes das artérias e fazem com que endureçam e se estreitam.

Trombose venosa

trombose o que e sintomas coagulo
A trombose arterial é um coágulo sanguíneo que se desenvolve em uma artéria.

Uma trombose venosa é categorizada como um trombo (coágulo de sangue) que se formou em uma veia.

As veias são os vasos sanguíneos que (normalmente) transportam o sangue para fora do coração. 

O sangue pode fluir mais lentamente nas veias do que nas artérias, e isso pode aumentar a probabilidade de formação de coágulos sanguíneos nesses vasos.

No entanto, outros fatores também aumentam as chances de uma pessoa sofrer de trombose venosa.

Trombose de veia superficial

Uma veia superficial é uma veia que está próxima à superfície do corpo. Normalmente são responsáveis ​​por ajudar a resfriar o corpo. Pode ser possível ver essas veias salientes sob certas condições. 

Um dos sintomas de trombose de veia superficial é quando os pacientes podem sentir uma área um pouco mais dura ou testemunhar alguma vermelhidão da área. 

Essas tromboses normalmente não são tão graves quanto a trombose venosa profunda; no entanto, podem se tornar mais graves se forem capazes de entrar nas veias profundas por meio das veias perfurantes.

Trombose venosa profunda (TVP)

A trombose venosa profunda ocorre dentro das veias profundas, que se distanciam da superfície da pele

Mais sangue é transportado pelas veias profundas do que pelas veias superficiais.

A maior parte da trombose venosa profunda ocorre dentro das pernas, embora possa ocorrer em qualquer parte do sistema venoso profundo.

Os sintomas de trombose venosa profunda:

  • Vermelhidão; 
  • Inchaço;
  • Calor na área afetada.

Normalmente, é necessária uma ultrassonografia para ajudar a fornecer um diagnóstico definitivo. 

Indivíduos considerados de maior risco de desenvolver este tipo de trombose são aconselhados a se movimentar com frequência e fazer exercícios na panturrilha para promover um melhor fluxo sanguíneo na área. 

Aqueles que não podem se exercitar podem receber meias de compressão graduada ou um medicamento anticoagulante como varfarina ou heparina.

Trombose hemorroidária

As hemorroidas são tecidos vasculares aumentado na parte inferior do reto e ânus. Essa é a abertura no final do intestino grosso, por onde as fezes saem do corpo. 

Todo mundo tem hemorroidas. Eles não causam problemas, a menos que inchem.

Um dos sintomas de trombose hemorroidaria é a sensação de coceira e dor ao redor do ânus, o que pode fazer com que os movimentos intestinais sejam desconfortáveis.

Hemorroidas trombosadas são hemorroidas que não têm fluxo sanguíneo devido a coágulos. Eles geralmente são externos, mas também podem acontecer internamente. 

Uma hérnia trombosada ocorre quando um coágulo de sangue se forma dentro de umas hemorroidas. Essa condição não é perigosa, mas pode ser bastante dolorosa.

Elas também são conhecidas como:

  • Doença hemorroidária aguda;
  • Trombose perianal, que está se tornando mais comum porque o tecido envolvido pode não ser necessariamente o de uma hemorróida.

Na maioria dos casos, o coágulo sanguíneo é eventualmente reabsorvido pelo organismo e os sintomas se resolvem.

Mas se os sintomas não resolverem, ou se você tiver sintomas que precisam ser gerenciados, procure seu médico. Várias opções de tratamento estarão disponíveis, desde cremes até cirurgia.

Trombose renal

A trombose da veia renal (TVR) é uma trombose que ocorre nas veias que drenam o sangue dos rins

Esses coágulos reduzem a capacidade dos rins de limpar e filtrar o sangue. Isso pode aumentar o risco de desenvolvimento de mais coágulos. 

A TVR deve ser tratada assim que for descoberta, para ajudar a manter a função renal estável. 

Os homens têm duas vezes mais probabilidade de sofrer de TVR do que as mulheres, embora as razões para isso sejam desconhecidas.

Essa condição afeta principalmente pessoas com mais de 40 anos.

Um grande número de fatores pode contribuir para os casos de trombose e da veia renal, incluindo:

  • síndrome nefrítica;
  • câncer;
  • transplantes renais;
  • trauma contuso na parte inferior das costas ou abdômen. 

Algumas dessas condições significam que o paciente provavelmente sofrerá vários episódios de trombose ao longo da vida.

A trombose da veia renal raramente é tratada com cirurgia hoje em dia, a menos que tratamentos alternativos não tenham sucesso. 

A cirurgia para remover coágulos das veias renais é muito invasiva e pode causar complicações graves. 

Os pacientes com trombose da veia renal crônica podem ter que tomar anticoagulantes pelo resto de suas vidas.

Trombose cerebral

A trombose do seio venoso cerebral (TSCV) ocorre quando um coágulo de sangue se forma nos seios venosos do cérebro. Isso evita que o sangue circule no cérebro. 

Os sintomas de trombose cerebral podem incluir dor de cabeça intensa, perda de consciência e confusão mental.

Como resultado, as células sanguíneas podem se romper e vazar sangue para os tecidos cerebrais, formando uma hemorragia.

Essa cadeia de eventos faz parte de um AVC que pode ocorrer em adultos e crianças. Pode ocorrer, até mesmo, em recém-nascidos e bebês no útero.

Um derrame pode causar danos ao cérebro e ao sistema nervoso central. 

Um derrame é grave e requer atenção médica imediata. Essa condição também pode ser chamada de trombose sinovenosa cerebral.

Trombose aguda

A trombose vascular aguda ocorre quando um coágulo de sangue obstrui uma veia. As veias carregam o sangue de volta para o coração depois que o sangue é bombeado para diferentes partes do corpo e o oxigênio é usado. 

Os bloqueios nestes vasos podem diminuir ou mesmo interromper o fluxo sanguíneo e causar consequências graves. Diferentes tipos de trombose vascular ocorrem em diferentes partes do corpo.

Um dos maiores perigos da trombose vascular ocorre quando o coágulo sanguíneo se solta e retorna aos pulmões. 

Uma embolia pulmonar pode ocorrer quando o coágulo de sangue bloqueia uma artéria do pulmão, causando dores no peito, batimentos cardíacos irregulares ou até mesmo insuficiência cardíaca.

Trombose crônica

Um coágulo ou trombo, com mais de um a dois meses de idade, é chamado de “crônico”. O coágulo fica mais rígido e deixa cicatrizes na veia. 

Como resultado desse processo, a veia se torna muito menor e não permite que o sangue flua com eficácia.

Os sintomas de trombose crônica são muito parecidos com os sintomas de trombose venosa profunda.

Os pacientes com trombose crônica de membros inferiores experimentam inchaço nas pernas, dor e frequentemente descoloração da pele da perna abaixo do joelho. 

Esses pacientes geralmente recebem meias de compressão prescritas para ajudar com esses sintomas.

Quais os sinais e sintomas de trombose?

trombose o que e sintomas sinais

É importante lembrar que apenas a metade dos pacientes apresentam sintomas de trombose, antes dela representar um risco para a saúde.

Entre os sintomas de trombose, o paciente pode apresentar:

  • Dor ou sensibilidade no local;
  • Calor;
  • Vermelhidão;
  • Rigidez da musculatura na região em que se formou o trombo;
  • Inchaço nos membros acometidos;
  • Pele vermelha ou descolorida na região;
  • Veias que saltam;
  • Falta de ar;
  • Tosse com sangue;
  • Dor repentina no peito;
  • Respiração dolorosa;
  • Dor de cabeça;
  • Tontura;
  • Perda de consciência;
  • Confusão mental;
  • Perda de equilíbrio.

A localização dos sintomas de trombose podem ajudar a diagnosticar onde o trombo está, facilitando no diagnóstico e tratamento.

Em cerca de 30% dos pacientes, o único sintoma da trombose é a morte.

Sinais de trombose na perna

Os sinais de trombose na perna podem ser bem específicos e fáceis de se identificar:

  • Dor latejante ou cãibra em uma perna (raramente em ambas as pernas), geralmente na panturrilha ou na coxa;
  • Inchaço em uma perna (raramente em ambas as pernas);
  • Pele quente ao redor da área dolorida;
  • Pele vermelha ou escurecida ao redor da área dolorida;
  • Veias inchadas que ficam duras ou doloridas quando você as toca.

Onde a trombose pode acontecer?

A trombose pode acontecer em qualquer parte do corpo humano, já que as veias e artérias estão espalhadas pelos mais diversos tecidos. 

Os sintomas de trombose dependem exclusivamente do local em que ocorrem.

No entanto, os tipos de trombose mais comuns são:

  • Trombose venosa (profunda e periférica);
  • Trombose arterial (arterotrombose);
  • Trombose hemorroidaria;
  • Trombose pulmonar;
  • Trombose cardíaca;
  • Trombose cerebral;
  • Trombose renal.

Quais são as causas da trombose?

A coagulação ocorre devido a uma série de reações químicas entre as células sanguíneas conhecidas como plaquetas e proteínas chamadas fatores de coagulação.

Quando uma pessoa está bem de saúde, o corpo regula o processo de coagulação de acordo com suas necessidades.

No entanto, um coágulo pode se formar mais facilmente quando uma pessoa:

  • Fuma;
  • Tem colesterol alto;
  • Tem obesidade ou está acima do peso;
  • Tem câncer;
  • Tem diabetes;
  • Está estressada;
  • Tem um estilo de vida inativo.

Alguns desses fatores também aumentam o risco de aterosclerose, uma condição em que os depósitos de placas de gordura revestem os vasos sanguíneos e os obstruem.

A aterosclerose torna mais provável que os coágulos sanguíneos bloqueiem as artérias e as veias.

A trombose é causada por um coágulo sanguíneo. O coágulo bloqueia uma veia, impedindo a circulação correta do sangue em seu corpo. 

A coagulação pode ocorrer por vários motivos. Esses incluem:

  • Lesões: danos na parede de um vaso sanguíneo podem restringir ou bloquear o fluxo sanguíneo. Um coágulo de sangue pode se formar como resultado.
  • Cirurgia: os vasos sanguíneos podem ser danificados durante a cirurgia, o que pode levar ao desenvolvimento de um coágulo sanguíneo.
    O repouso na cama com pouco ou nenhum movimento após a cirurgia também pode aumentar o risco de desenvolver um coágulo sanguíneo.
  • Mobilidade reduzida ou inatividade: quando você fica sentado por um longo tempo todos os dias, o sangue pode se acumular nas pernas, especialmente nas partes inferiores. 
  • Certos medicamentos: alguns medicamentos aumentam as chances de seu sangue formar um coágulo.
  • Condições genéticas: as condições genéticas, como Lúpus, Síndrome do Anticorpo Fosfolipídeo, Artrite Reumatóide e outras doenças autoimunes podem desencadear tromboses de repetição.

Como é o tratamento da trombose?

trombose o que e sintomas como e tratamento

Para tratar coágulos sanguíneos e prevenir os danos que causam, os médicos usam anticoagulantes para diminuir o poder de coagulação do sangue e prevenir o crescimento de um coágulo. 

Isso, por si só, ameniza os sintomas de trombose.

Os diluentes de sangue mais comuns usados ​​hoje são heparina, heparina de baixa massa molecular e varfarina.

Também é comum o uso de meias compressivas ou filtros sanguíneos.

Meias de compressão para trombose

Se você estiver em alto risco de trombose, usar meias de compressão pode impedir o inchaço e diminuir a chance de desenvolver coágulos.

As meias de compressão atingem logo abaixo do joelho ou logo acima dele. O seu médico pode recomendar que você os use todos os dias.

Isso pode amenizar consideravelmente os sintomas de trombose de membro inferior.

Filtros para trombose

Pode ser necessário colocar um filtro dentro da veia abdominal grande chamada veia cava se você não conseguir tomar anticoagulantes. 

Esta forma de tratamento ajuda a evitar embolia pulmonar, impedindo a entrada de coágulos nos pulmões.

Os filtros devem ser usados ​​por um período de curto prazo, até que o risco de tromboembolismo seja reduzido e os medicamentos para afinar o sangue possam ser usados.

Tratamento para trombose com Heparina

A heparina é um anticoagulante forte e de ação rápida (diluidor do sangue).

Geralmente, é administrado no hospital por via intravenosa (uma pequena agulha inserida na veia), mas também pode ser administrado por injeção subcutânea. 

A heparina IV atua rapidamente; minutos após recebê-lo, a maioria dos pacientes tem uma excelente anticoagulação que evitará mais coagulação. 

No entanto, os pacientes que recebem heparina devem ser monitorados todos os dias com um exame de sangue para verificar se a dose correta está sendo administrada. 

O médico ajustará a dose de heparina de acordo com os resultados dos exames de sangue. Como os níveis de heparina costumam mudar nos pacientes, o médico deve verificar os níveis com frequência. 

O nome do exame de sangue usado para verificar o nível de heparina de um paciente é o tempo de tromboplastina parcial ativada (aPTT).

Para pacientes que apresentam um novo coágulo, a heparina geralmente é administrada com outro anticoagulante, a varfarina. 

A varfarina é uma pílula que os pacientes podem tomar em casa para anticoagulação de longo prazo. 

Como a varfarina pode levar de 5 a 7 dias (ou mais) para fazer efeito, os pacientes inicialmente tomarão os dois medicamentos.

Uma vez que a varfarina esteja totalmente ativa, a heparina é interrompida e o paciente pode voltar para casa, do hospital.

As vantagens da heparina são o baixo custo e a rápida ação (o sangue pode ser anticoagulado rapidamente). 

As desvantagens da heparina incluem a necessidade de exames de sangue frequentes para verificar os níveis de anticoagulação e a hospitalização para obtenção de um medicamento intravenoso. 

Os pacientes devem esperar 5 a 10 dias no hospital para tratar um novo coágulo.

O efeito colateral mais sério da heparina é o sangramento. Outros efeitos colaterais incluem erupção cutânea, dor de cabeça, sintomas de resfriado e dor de estômago. 

Um efeito colateral menos comum é a perda de resistência óssea se os pacientes estiverem tomando heparina por longos períodos (geralmente meses). Geralmente, isso é um problema apenas para mulheres grávidas. 

Um efeito colateral raro da heparina é uma condição chamada Trombocitopenia Induzida pela Heparina (TIH). 

TIH às vezes é incorretamente chamado de “alergia à heparina”.

Ocorre em um pequeno número de pacientes, mas tem sintomas muito graves, incluindo piora da coagulação e desenvolvimento de novos coágulos, que podem causar derrame, ataque cardíaco, trombose venosa profunda e morte.

Heparinas de baixa massa molecular

As heparinas de baixa massa molecular (HBPM) são semelhantes à heparina, mas muito mais fáceis de usar. O uso de HBPM tem duas vantagens sobre a heparina:

Os pacientes podem ser tratados em casa, porque a HBPM é administrada por injeção sob a pele. Isso elimina ou reduz o tempo que os pacientes precisam passar no hospital para tratar o coágulo.

Os pacientes geralmente não precisam ser monitorados com um exame de sangue quando estão tomando HBPM.

Os efeitos colaterais da HBPM são muito semelhantes aos da heparina; no entanto, HIT e osteoporose são muito menos comuns. HBPM é caro.

Varfarina

Varfarina é uma pílula anticoagulante administrada por via oral. Os pacientes recebem varfarina por diferentes razões. 

Alguns pacientes podem tomar varfarina por algumas semanas; outros precisarão tomar varfarina pelo resto da vida. A duração do tratamento depende do motivo pelo qual o paciente precisa de anticoagulantes.

A varfarina atua retardando o processo no fígado que usa a vitamina K para produzir certas proteínas (fatores de coagulação) que causam a coagulação. 

Como pode levar vários dias até que a varfarina se torne completamente eficaz, heparina ou HBPM são administrados até que a varfarina comece a fazer efeito.

Assim como acontece com os pacientes que tomam heparina, os pacientes que tomam varfarina precisam fazer um exame de sangue para verificar se o medicamento está funcionando bem e ser monitorados quanto à segurança. 

Esse exame de sangue mede quanto tempo leva para o sangue coagular e também é chamado de tempo de protrombina, protime, INR ou tempo de coagulação. 

Como laboratórios diferentes usam métodos diferentes para medir o tempo de coagulação, os resultados do teste podem variar. 

Para ter certeza de que um médico pode interpretar corretamente este teste, os resultados são relatados com um número INR (International Normalized Ratio) que converte todos os tempos de coagulação para o mesmo número. 

Pessoas que não estão tomando varfarina têm um INR em torno de 1,0 (geralmente entre 0,8 e 1,2). A maioria dos pacientes em uso de varfarina deve ter um INR entre 2 e 3; este é considerado seu alvo terapêutico. 

Em alguns pacientes, um intervalo de INR mais alto ou mais baixo é o alvo.

Se um paciente tem um INR abaixo da faixa terapêutica, o risco de coagulação é maior; se um paciente tem um INR acima da faixa terapêutica, o risco de sangramento é maior. 

Quando os pacientes iniciam a varfarina, eles podem fazer exames de sangue duas ou três vezes por semana.

Uma vez que os pacientes estejam tomando uma dose regular de varfarina, eles podem demorar até 4 semanas entre os exames de sangue.

O sangramento é o efeito colateral mais comum da varfarina. Outros efeitos colaterais incluem dor de cabeça, erupção cutânea, perda de cabelo, necrose da pele, síndrome do dedo do pé roxo e enzimas hepáticas elevadas. 

Às vezes, esses efeitos colaterais desaparecem com o tempo; no entanto, é importante discutir qualquer um desses efeitos colaterais ou sintomas incomuns com seu médico. 

Se os efeitos colaterais não desaparecerem, seu médico pode prescrever um diluente de sangue diferente.

Fatores de risco para o desenvolvimento da trombose

trombose o que e sintomas fatores de risco

Os fatores de risco para o desenvolvimento de trombose, são:

Anticoncepcionais

As pílulas anticoncepcionais estão entre os métodos anticoncepcionais mais populares em todo o mundo. 

Uma pílula anticoncepcional oral combinada contém dois componentes, o estrogênio e o composto de progestágeno. 

Apesar de sua ação contraceptiva confiável, essas pílulas podem apresentar efeitos colaterais, incluindo obstrução dos vasos das pernas, cardíacas, cerebrais e pulmonares por coágulos (trombose venosa). 

Este efeito secundário é raro, mas é o efeito adverso grave que ocorre com mais frequência. 

Pílulas combinadas diferentes mostram tendências de obstrução de coagulação de vasos diferentes (risco de trombose venosa). 

A avaliação dessas diferentes tendências pode desempenhar um papel importante na escolha da pílula mais segura ao iniciar o uso da pílula.

Gravidez

Embora qualquer pessoa possa desenvolver um coágulo sanguíneo, as mulheres correm maior risco de coágulo sanguíneo durante a gravidez, o parto e até 3 meses após o parto. 

Na verdade, as mulheres grávidas têm 5 vezes mais probabilidade de ter um coágulo sanguíneo em comparação com as mulheres que não estão grávidas.

Isso acontece com as mudanças naturais no corpo da mulher durante a gravidez, o parto e o período de 3 meses após o parto podem aumentar o risco de coágulos sanguíneos nas mulheres. 

Durante a gravidez, o sangue da mulher coagula mais facilmente para diminuir a perda de sangue durante o trabalho de parto. 

As mulheres grávidas também podem ter menos fluxo sanguíneo para as pernas mais tarde na gravidez porque os vasos sanguíneos ao redor da pelve são pressionados pelo bebê em crescimento. 

Além disso, a limitação ou falta de movimento (imobilidade) devido ao repouso na cama após o parto pode limitar o fluxo sanguíneo nas pernas e braços, aumentando o risco de coágulos sanguíneos na mulher.

Dentre os sintomas de trombose gestacional podemos encontrar, inclusive, aborto espontâneo por trombose na placenta.

Obesidade

A obesidade é um importante fator de risco para trombose, tanto em homens, quanto em mulheres. 

Estudos têm mostrado que indivíduos obesos têm quase o dobro do risco de desenvolver uma trombose ou embolia pulmonar, e pacientes obesos com menos de 40 anos têm risco quase cinco vezes maior do que aqueles que não são obesos. 

O risco de desenvolvimento de PE é quase seis vezes maior entre mulheres com IMC de 35 kg / m 2 ou mais.

Ficar sentado

Permanecer sentado com as pernas para baixo durante muitas horas, seja no trabalho ou em casa, pode aumentar o risco de desenvolver trombose.

Pessoas com pré-disposição ao desenvolvimento de varizes e trombose podem aumentar as chances quando ficam muito tempo sentadas, sem movimentação, já que a circulação fica limitada.

O ideal é que você se levante e caminhe um pouco, a cada 30 minutos sentado.

Hereditariedade

Pessoas com trombofilia hereditária tendem a formar coágulos devido a uma predisposição genética herdada de seus pais. 

Pessoas com trombofilia hereditária podem ter uma história familiar de parentes com coagulação sanguínea anormal ou excessiva. 

Este folheto explicará como os genes desempenham um papel na coagulação do sangue e estão relacionados à trombofilia hereditária.

Machucados

As feridas também podem aumentar o risco de desenvolvimento de trombose, principalmente quando se trata de feridas profundas, fraturas, cirurgias ou queimaduras.

A trombose chega a atingir até 58% dos pacientes que sofreram traumas graves e pode ser causada por impactos fortes sofridos pelas veias ou por longos períodos parado.

Os trombos se formam naturalmente pelo organismo após um trauma ou machucado, para conter o sangramento e fechar a ferida. Depois de um tempo, esses coágulos se desmancham e são absorvidos pelo sangue fluido.

Em alguns pacientes, essa função de desfazer os trombos é afetada e os coágulos são jogados no sangue, causando o entupimento das veias de menor calibre.

Quadros de saúde específicos

Algumas doenças, como a Covid-19, causada pelo novo Coronavírus, também podem aumentar os riscos do desenvolvimento de trombose.

Para estes casos, o tratamento com anticoagulantes é associado ao tratamento para a doença primária, para evitar que os trombos circulem pelo organismo.

Tabagismo

O cigarro pode aumentar o risco de desenvolvimento de diversas doenças e entre elas, está a trombose. 

Os riscos de trombose aumentam devido às alterações no sistema circulatório e oxigenação no sangue, favorecendo o aparecimento de trombos nas veias, mesmo quando não há nenhum trauma, gravidez ou medicamentos envolvidos.

Idade

A trombose é mais comum em pacientes acima dos 40 anos e se torna mais propensa na medida que a idade avança, principalmente mulheres.

Quando associado a traumas, ao tabagismo ou consumo de hormônios pode ser fatal.

Mito ou verdade sobre a trombose na perna

trombose o que e sintomas mitos verdades

Confira alguns mitos e verdades sobre a trombose na perna:

Não existe prevenção para trombose

Mito! É possível prevenir ativamente o desenvolvimento de trombose. Portanto, se você possui fatores genéticos ou alguma pré-disposição, basta procurar orientação médica.

Embora qualquer pessoa possa ser afetada por trombose, algumas populações correm maior risco de formar um coágulo sanguíneo. 

Pessoas com risco de trombose têm mais probabilidade de se beneficiar de métodos preventivos para reduzir a incidência de trombose e complicações relacionadas, como embolização.

Pessoas com risco aumentado de trombose incluem:

  • História médica de trombose;
  • História familiar de trombose;
  • Cirurgia ou trauma recente que exige repouso no leito;
  • Câncer e terapia relacionada;
  • Pessoas idosas;
  • Mães grávidas;
  • Mulheres tomando anticoncepcionais ou terapia hormonal de estrogênio;
  • Obesidade;
  • Doença cardiovascular;
  • Fumar;
  • Varizes.

Cada um desses fatores de risco está associado a um nível diferente de risco aumentado de trombose, que deve ser considerado na prevenção da trombose. 

A maioria dos tratamentos está associada a algum grau de perigo ou inconveniência para o paciente, e a relação benefício-risco difere para cada indivíduo.

Viajar de avião aumenta o risco de trombose na perna

Verdade! Principalmente em caso de viagens muito longas (acima de 4 horas). No entanto, os riscos são para todos os tipos de viagem (carro, ônibus, trem) e não só de avião.

Mesmo que você viaje uma longa distância, o risco de desenvolver um coágulo sanguíneo é geralmente muito pequeno.

O seu nível de risco depende da duração da viagem e também se você tem outros riscos de coágulos sanguíneos. 

A maioria das pessoas que desenvolve coágulos sanguíneos associados a viagens tem um ou mais outros riscos de coágulos sanguíneos, tais como:

  • Idade avançada (o risco aumenta após os 40 anos);
  • Obesidade ( índice de massa corporal [IMC] maior que 30kg / m 2 );
  • Cirurgia ou lesão recente (dentro de 3 meses);
  • Uso de contraceptivos contendo estrogênio (por exemplo, pílulas anticoncepcionais, anéis, adesivos);
  • Terapia de reposição hormonal (tratamento médico no qual hormônios são administrados para reduzir os efeitos da menopausa);
  • Gravidez e período pós-parto (até 3 meses após o parto);
  • Coágulo sanguíneo anterior ou história familiar de coágulos sanguíneos;
  • Câncer ativo ou tratamento de câncer recente;
  • Mobilidade limitada (por exemplo, um elenco de perna);
  • Cateter colocado em uma veia grande;
  • Varizes.

A combinação de viagens de longa distância com um ou mais desses riscos pode aumentar a probabilidade de desenvolver um coágulo sanguíneo. 

Quanto mais riscos você corre, maiores são as chances de ter um coágulo sanguíneo. Se você planeja viajar em breve, converse com seu médico para saber mais sobre o que você pode fazer para proteger sua saúde. 

A coisa mais importante que você pode fazer é aprender e reconhecer os sintomas de trombose e dos coágulos sanguíneos.

Dicas de mudanças de hábitos para ajudar a prevenir a trombose

Existem alguns ajustes simples no estilo de vida e hábitos que podem ajudar a diminuir o risco de trombose. 

Eles estão intimamente ligados a fatores de risco específicos para trombose e ajudam a reduzir a probabilidade de sua ocorrência.

Por exemplo, a obesidade está fortemente associada a uma maior incidência de trombose e a adoção de bons hábitos nutricionais e de exercícios é uma ótima maneira de diminuir esse risco. 

Optar por alimentos integrais, assim como frutas e vegetais é preferível, pois são ricos em fibras, mas possuem baixo teor de sal, açúcar e gordura. 

O exercício regular também pode ser útil para manter um peso saudável, com pelo menos 30 minutos de exercícios diários atualmente sendo recomendados.

Pessoas que fumam também têm maior probabilidade de sofrer trombose e devem, portanto, ser encorajadas a parar ou reduzir seus hábitos de fumar para ajudar a prevenir a trombose.

Algumas situações específicas também estão associadas a um aumento imediato do risco de trombose. 

Longos períodos de sedentarismo, devido a viagens de avião ou repouso no leito, permitem a estase do sangue, condição ideal para a formação de um trombo. 

Se alguém com risco de trombose tiver probabilidade de permanecer sedentário por muito tempo, é recomendado que faça movimentos regulares dos pés e das pernas para manter o sangue circulando e prevenir a formação de um coágulo sanguíneo.

Quais os cuidados a pessoa com trombose precisa ter?

Coágulos sanguíneos são uma condição médica séria. É importante conhecer os sinais e ser tratado imediatamente. 

Após ser diagnosticado, você precisa tomar todos os cuidados necessários para que os pequenos coágulos não te tornem problemas enormes.

Para evitar que novos trombos se formem, é muito importante usar roupas bem confortáveis. Aposente as calças jeans com elastano ou roupas muito justas.

Também evite ficar muito tempo sentado, sem movimentação das pernas ou com as pernas cruzadas. De tempos em tempos, levante-se e vá caminhar um pouco. 

O ideal, é que o paciente em tratamento de trombose tenha móveis adequados, como uma cama adaptável, como as camas de hospital, para que possa elevar as pernas e dormir confortavelmente, sem prejudicar a saúde da coluna.

Também é recomendável evitar as pancadas nos membros inferiores. Para isso, é importante ter uma escada de acesso à cama e tapetes macios e bem firmes no chão.

Diferença entre trombose e tromboflebite

trombose o que e sintomas diferencas entre tromboflebite

A trombose é uma condição em que coágulos se formam dentro das veias ou artérias profundas, diminuindo a circulação e causando inflamação.

As causas podem ser muitas, entre elas inatividade ou repouso prolongado na cama e traumas. Também pode ser causado por certas condições, como certos tipos de câncer, gravidez, infecções, obesidade e cirurgia.

A complicação mais perigosa da trombose é o desprendimento do coágulo sanguíneo das veias. Quando isso acontece, há risco de embolia. 

A trombose também pode causar varizes, inchaço e dor nas pernas quando há lesão permanente na veia.

A tromboflebite, por outro lado, ocorre nas veias superficiais. Também apresenta inflamação e coágulos sanguíneos. 

A causa disso é devido à irritação dessas veias superficiais por meio de medicamentos irritantes que causam queimação dessas veias, como com antibióticos. 

Nenhuma complicação séria pode surgir de tromboflebite, ao contrário da trombose. Há dor e vermelhidão na tromboflebite, além de temperatura quente na pele.

A tromboflebite é tratada com repouso e elevação dos membros. Também podem ser administrados medicamentos anti-inflamatórios e analgesia para prevenir a dor. 

A trombose, por outro lado, é tratada com trombolíticos ou anticoagulantes. Isso ajuda a evitar que o sangue tenha uma consistência espessa, evitando assim a formação de coágulos sanguíneos. 

Meias de compressão também são usadas ao mesmo tempo para evitar maiores danos.

Conclusão

A trombose pode ser muito perigosa se diagnosticada tardiamente ou mal cuidada. Entre os problemas que ela pode causar estão as dores, amputações e até mesmo a morte.

Para evitar que a trombose se torne uma realidade ou para evitar a formação de novos trombos, a atividade física – nem que seja a mais básica – é a prevenção ideal.

Se você já tiver sido diagnosticado com trombose, converse com o seu médico sobre a melhor forma de tratamento.

Em alguns casos, será necessária a adaptação da casa, dos móveis e da rotina do paciente, para que o coágulo não se torne algo pior.

Se o seu médico recomendar móveis e camas adaptáveis, você deverá ir em busca de quem pode oferecer qualidade e preço baixo.

Só na Mobiloc você encontra móveis hospitalares para comprar ou alugar, para proporcionar o melhor tratamento para trombose.

Fale com um de nossos especialistas e escolha a melhor opção para você!

3 comentários em “Trombose: o que é, sintomas, causas e dicas para prevenção”

  1. Wandrea Alice Aguiar

    Tive uma fratura no pé e depois sentir muitas dores na panturrilha e depois começou a falta de ar e dor no tórax.

  2. Olá Wandrea! Te desejamos melhoras após essa fratura e agradecemos por você acompanhar nosso blog.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

vinte − dez =

Rolar para cima