Apneia do sono o que é

O que é apneia do sono? Conheça as causas e sintomas

Se não for tratada, a apneia do sono pode contribuir para diabetes tipo 2 e doenças cardíacas, aumentando a probabilidade de derrame e ataque cardíaco.

A apneia do sono pode afetar bebês, crianças e adultos, embora alguns dos sintomas de identificação sejam diferentes, dependendo da sua idade.

Aqui está tudo o que você precisa saber sobre os sinais e sintomas da apneia do sono!

O que é a apneia do sono?

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é uma condição na qual a respiração para involuntariamente por breves períodos de tempo durante o sono. 

Normalmente, o ar flui suavemente da boca e do nariz para os pulmões o tempo todo. Períodos em que há interrupções no fluxo respiratório são chamadas de apneia ou episódios apneicos. 

Na AOS, o fluxo normal de ar é interrompido repetidamente durante a noite. 

O fluxo de ar para porque o espaço das vias aéreas na área da garganta é muito estreito. O ronco é característico da apneia obstrutiva do sono. 

O ronco é causado pelo fluxo de ar que atravessa o espaço estreitado das vias aéreas. A apneia do sono não tratada pode causar sérios problemas de saúde, como:

  • Hipertensão;
  • Doença cardíaca;
  • Acidente vascular cerebral;
  • Diabetes.

O diagnóstico e o tratamento adequado são essenciais para prevenir complicações.

Pessoas com apneia do sono não tratada param de respirar repetidamente durante o sono, podendo chegar a centenas de vezes em uma única noite. 

Isso significa que o cérebro – e o resto do corpo – podem não receber oxigênio suficiente.

Quais são os sinais e sintomas da apneia do sono?

A apneia do sono é um distúrbio muito comum e pode ser fácil diagnosticar. Os sinais e sintomas comuns da apneia do sono incluem:

  1. Acordar com a garganta muito dolorida ou seca;
  2. Ronco alto;
  3. Acordar ocasionalmente com uma sensação de asfixia ou arfando;
  4. Sonolência ou falta de energia durante o dia;
  5. Sonolência ao dirigir;
  6. Dores de cabeça matinais;
  7. Sono agitado;
  8. Esquecimento, mudanças de humor e diminuição do interesse por sexo;
  9. Despertares recorrentes durante a noite ou insônia.

sintomas da apneia do sono

Sonolência diurna excessiva é um dos sintomas da apneia do sono

Quais são os sintomas de apneia do sono em crianças?

Segundo o HCor de São Paulo, 10 a 20% das crianças que roncam podem ter apneia do sono. No geral, estima-se que 3% das crianças tenham apneia do sono.

Muitas crianças com apneia do sono não tratada têm problemas comportamentais, adaptativos e de aprendizado semelhantes aos sintomas do TDAH:

  • Dificuldade em aprender;
  • Falta de atenção;
  • Mau desempenho na escola.

Se você acha que seu filho pode ter um distúrbio do sono, procure estes sinais de apneia do sono enquanto dorme:

  • Ronco e dificuldade em respirar;
  • Pausas na respiração;
  • Inquietação;
  • Tosse ou asfixia;
  • Suor profuso;
  • Dificuldade para pegar no sono;
  • Relato de frequentes pesadelos;
  • Ganho acentuado de peso sem mudança alimentar significativa.

sintomas de apneia do sono em criançasRedução do desempenho escolar é um dos sintomas da apneia do sono em crianças

Você também pode procurar os seguintes sinais enquanto estão acordados:

  • Propenso a irritabilidade, irritabilidade e frustração;
  • Adormecer em momentos inadequados;
  • Problemas de saúde relacionados à amígdala ou adenóide;
  • Crescendo mais lentamente do que deveriam (altura e peso);
  • Dificuldades em manter-se concentrado;
  • Mudanças repentinas de humor.

apneia do sono em criançasDificuldades de concentração é um dos sintomas da apneia do sono em crianças

Quais são as causas da apneia do sono?

Existem vários tipos de apneia do sono e, com isso, vários fatores que podem causar a apneia do sono.

A apneia obstrutiva do sono ocorre quando os músculos da parte posterior da garganta relaxam. 

Esses músculos sustentam o palato mole, o pedaço triangular de tecido pendurado no palato mole (úvula), as amígdalas, as paredes laterais da garganta e a língua.

Quando os músculos relaxam, suas vias aéreas se estreitam ou fecham conforme você inspira. 

Você não consegue ar suficiente, o que pode diminuir o nível de oxigênio no sangue. Seu cérebro percebe sua incapacidade de respirar e o desperta brevemente para que você possa reabrir suas vias respiratórias. 

Esse despertar geralmente é tão breve que você não se lembra dele.

Você pode bufar, engasgar ou suspirar. 

Esse padrão pode se repetir de cinco a 30 vezes ou mais a cada hora, durante toda a noite, prejudicando sua capacidade de atingir as fases profundas e repousantes do sono.

Já a apneia central do sono ocorre quando o cérebro não consegue transmitir sinais aos músculos respiratórios. 

Isso significa que você não faz nenhum esforço para respirar por um curto período. Você pode acordar com falta de ar ou ter dificuldade para dormir ou continuar dormindo.

Em adultos, a causa mais comum de apnéia obstrutiva do sono é o excesso de peso e a obesidade, que está associada aos tecidos moles da boca e da garganta.

Em crianças, as causas da apneia obstrutiva do sono geralmente incluem amígdalas ou adenóides aumentadas e condições dentais, como uma grande sobremordida (mordida profunda)

As causas menos comuns incluem tumor ou crescimento nas vias aéreas e defeitos congênitos, como Síndrome de Down e Síndrome de Pierre-Robin

A Síndrome de Down causa aumento da língua, adenoides e amígdalas e há diminuição do tônus ​​muscular das vias aéreas superiores. 

A Síndrome de Pierre-Robin, deixa a mandíbula inferior pequena e a língua tende a se enrolar e cair na parte de trás da garganta. 

Embora a obesidade infantil possa causar apneia obstrutiva do sono, é muito menos comumente associada à doença do que a obesidade adulta.

Condições que podem ser causadas ou agravadas pela apneia do sono

A apneia do sono também pode causar ou agravar diversas condições de saúde, que podem estar diretamente ligadas ao distúrbio do sono, como:

Depressão

Pessoas com apneia do sono têm quatro vezes mais probabilidade de ter depressão do que pessoas sem distúrbios do sono. 

Dormir bem é vital para sua saúde mental geral. A apneia do sono pode fazer com que os veteranos acordem cansados ​​e irritados. 

O sono inconsistente por um período de tempo pode desgastar uma pessoa e causar problemas de saúde mental. 

Estudos mostram que, independentemente do peso, idade, sexo ou raça, os sintomas da apneia do sono estão associados ao início da depressão.

Derrame

A apneia do sono interrompe ou para sua respiração enquanto você dorme. 

Essa ingestão inconsistente de oxigênio pode afetar negativamente o fluxo sanguíneo, levando a um derrame. 

A combinação de baixos níveis de oxigênio e pressão alta também aumenta a probabilidade de ataques futuros. 

Embora a apneia do sono possa ser a causa de um derrame ou derrames recorrentes, também pode ser um efeito colateral de um derrame.

Hipertensão

A apneia do sono pode causar hipertensão e agravar sua hipertensão pré-existente.

A apneia do sono faz com que os níveis de oxigênio no sangue caiam, aumentando a pressão arterial (causando hipertensão). Além disso, a hipertensão pode causar apneia do sono e piorá-la.

Doença Cardíaca

Um estudo mostra que a apneia do sono aumenta o risco de insuficiência cardíaca em 140%. 

Embora os estudos não tenham certeza sobre os mecanismos que explicam essa associação, muitos pensam que as mudanças de pressão causam estresse no coração por causa da diminuição dos níveis de oxigênio no sangue e do aumento da inflamação. 

Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE)

Estudos mostram que existe uma ligação entre a apneia do sono e a DRGE. 

Essa conexão é bidirecional, ou seja, enquanto a DRGE pode induzir e piorar o efeito da apneia do sono, a apneia do sono também pode induzir e piorar o efeito da DRGE. 

Por exemplo, a apneia do sono pode alterar a quantidade de pressão nas vias aéreas de um indivíduo, resultando em refluxo. 

Além disso, durante o sono, a maneira como o corpo limpa o esôfago de um indivíduo do ácido é prejudicada, assim, o tempo de contato do ácido com o esôfago aumenta, piorando os efeitos da DRGE. 

Além disso, o ácido da DRGE pode causar espasmos das cordas vocais que podem induzir a apneia do sono. (que por sua vez pode agravar ainda mais a DRGE).

Asma

A apneia do sono é um agravante conhecido da asma. A asma causa inflamação nos pulmões. 

A apneia do sono pode aumentar ainda mais essa inflamação. Além disso, pessoas com asma apresentam risco aumentado de desenvolver apneia do sono.

Sinusite e Rinite

Tanto a sinusite quanto a rinite estão ligadas bidirecionalmente à apneia do sono. 

Pessoas com apneia do sono têm muito mais probabilidade de desenvolver sinusite crônica ou rinite. Ambas as condições também podem agravar a apneia do sono.

Quais são os fatores de risco da apneia do sono?

A apneia do sono pode afetar qualquer pessoa, até crianças. Mas certos fatores aumentam seu risco.

Os fatores que aumentam o risco desta forma de apneia do sono incluem:

  • Excesso de peso. A obesidade aumenta muito o risco de apneia obstrutiva  do sono. Depósitos de gordura ao redor das vias aéreas superiores podem obstruir sua respiração.
  • Circunferência do pescoço. Pessoas com pescoço mais grosso podem ter vias aéreas mais estreitas.
  • Via aérea estreitada. Você pode ter uma garganta mais estreita. Amígdalas ou adenóides também podem aumentar e bloquear as vias aéreas, principalmente em crianças.
  • Ser homem. Os homens têm duas a três vezes mais chances de ter apneia obstrutiva do sono do que as mulheres. No entanto, as mulheres aumentam o risco se estiverem acima do peso, e o risco também parece aumentar após a menopausa.
  • Pessoas mais velhas. A apneia do sono ocorre com muito mais frequência em adultos mais velhos.
  • História de família. Ter familiares com apneia do sono pode aumentar o risco.
  • Uso de álcool, sedativos ou tranquilizantes. Essas substâncias relaxam os músculos da garganta, o que pode piorar a apneia obstrutiva do sono.
  • Fumar. Os fumantes têm três vezes mais probabilidade de ter apneia obstrutiva do sono do que as pessoas que nunca fumaram. Fumar pode aumentar a inflamação e a retenção de líquidos nas vias aéreas superiores.
  • Congestão nasal. Se você tem dificuldade para respirar pelo nariz, seja por um problema anatômico ou por alergia, é mais provável que desenvolva apneia obstrutiva do sono.
  • Condições médicas crônicas. Insuficiência cardíaca, hipertensão, diabetes e doença de Parkinson são algumas das condições que podem aumentar o risco de apneia obstrutiva do sono. A síndrome do ovário policístico, distúrbios hormonais, derrame prévio e doenças pulmonares crônicas, como asma, também podem aumentar o risco.
  • Uso de analgésicos narcóticos. Os medicamentos opióides, especialmente os de ação prolongada, como a metadona, aumentam o risco de apneia central do sono.
  • Derrame. Ter tido um acidente vascular cerebral aumenta o risco de apneia do sono central ou apneia do sono central emergente do tratamento.

Fatos rápidos e curiosidades sobre apneia do sono
Aqui estão algumas curiosidades sobre a apneia do sono:

  • Cerca de 1 em cada 5 adultos apresentam sintomas leves de apneia obstrutiva do sono (AOS), enquanto 1 em cada 15 apresenta sintomas moderados a graves.
  • Aproximadamente 18 milhões de americanos têm essa condição, mas apenas 20% foram diagnosticados e tratados.
  • As mulheres na menopausa e na pós-menopausa têm um risco aumentado de AOS.
  • A apneia do sono é um fator de risco independente para hipertensão (pressão alta).
  • Embora a apneia do sono seja mais frequente nas pessoas com 50 anos ou mais, ela pode afetar pessoas de todas as idades, inclusive crianças.

Quais são os tipos de apneia do sono?

Os principais tipos de apneia do sono são:

  • Apneia obstrutiva do sono (AOS): é a forma mais comum que ocorre quando os músculos da garganta relaxam e bloqueiam a passagem de ar pelas vias aéreas.
  • Apneia central do sono ocorre quando o cérebro não envia sinais adequados aos músculos que controlam a respiração.
  • Apneia mista do sono é uma condição que combina a obstrução das vias respiratórias pelos músculos da garganta, junto com a falta de envio de sinais do cérebro para a respiração.
    É o tipo menos comum de apnéia do sono, mas pode ser mais perigosa.

Como é feito o diagnóstico da apneia do sono?

O diagnóstico de apneia do sono começa com uma história completa e exame físico. Uma história de sonolência e ronco durante o dia são pistas importantes. 

O seu médico examinará sua cabeça e pescoço para identificar quaisquer fatores físicos associados à apneia do sono. 

Seu médico pode solicitar que você preencha um questionário sobre sonolência diurna, hábitos de sono e qualidade do sono. Os testes que podem ser realizados incluem:

Polissonógrafo

Um polissonógrafo geralmente exige que você passe a noite em um hospital ou em um centro de estudos do sono. 

O teste dura uma noite inteira. Enquanto você dorme, o polissonógrafo mede a atividade de diferentes sistemas orgânicos associados ao sono. Pode incluir:

  • Eletroencefalograma (EEG), que mede as ondas cerebrais;
  • Eletro-oculograma (MOE), que mede o movimento ocular;
  • Eletromiograma (EMG), que mede a atividade muscular;
  • Eletrocardiograma (ECG ou ECG), que mede a freqüência cardíaca e o ritmo;
  • Teste de oximetria de pulso, que mede alterações nos níveis de oxigênio no sangue;
  • Gasometria arterial (ABG).

EEG e EOM

Durante um EEG, os eletrodos são conectados ao couro cabeludo que monitoram as ondas cerebrais antes, durante e depois do sono. 

A MOE registra o movimento dos olhos. Um eletrodo pequeno é colocado 1 centímetro acima do canto externo do olho direito e outro é colocado 1 centímetro abaixo do canto externo do olho esquerdo. 

Quando os olhos se afastam do centro, esse movimento é gravado. As ondas cerebrais e os movimentos oculares informam os médicos sobre o momento das diferentes fases do sono. 

As fases do sono são não REM (movimento ocular não rápido) e REM (movimento ocular rápido). Sonho, diminuição do tônus ​​e movimento muscular e paralisia ocorrem durante o sono REM.

EMG

Durante o EMG, dois eletrodos são colocados no queixo: um acima da linha da mandíbula e outro abaixo dela. Outro eletrodo é colocado em cada canela. 

Os eletrodos EMG captam a atividade elétrica gerada durante os movimentos musculares. O relaxamento muscular profundo deve ocorrer durante o sono. 

O EMG apanha quando seus músculos relaxam e se movem durante o sono.

ECG

Um eletrocardiograma de 12 derivações pode ajudar seu médico a determinar se uma doença cardíaca está presente. Pressão alta de longa data também pode causar alterações em um eletrocardiograma. 

O monitoramento da freqüência cardíaca e do ritmo permite que os médicos vejam se ocorrem distúrbios cardíacos durante os episódios de apneia.

Oximetria de pulso

Neste teste, um pequeno dispositivo chamado oxímetro de pulso é colocado em uma área fina do seu corpo com bom fluxo sanguíneo, como a ponta do dedo ou o lóbulo da orelha. 

O oxímetro de pulso usa um pequeno emissor com LEDs vermelhos e infravermelhos para medir a quantidade de oxigênio no sangue. 

A quantidade de oxigênio no sangue ou a saturação de oxigênio diminui durante os episódios de apneia. 

Normalmente, a saturação de oxigênio é de cerca de 95 a 100%. O seu médico interpretará seus resultados.

Gás Arterial no Sangue (ABG)

Neste estudo, uma seringa é usada para obter sangue de uma artéria. O gás arterial no sangue mede vários fatores no sangue arterial, incluindo:

  • Teor de oxigênio;
  • Saturação de oxigênio;
  • Pressão parcial de oxigênio;
  • Pressão parcial de dióxido de carbono;
  • Níveis de bicarbonato.

Este teste dará ao seu médico uma imagem mais detalhada sobre a quantidade de oxigênio, dióxido de carbono e o equilíbrio ácido-base do seu sangue. 

Também ajudará seu médico a saber se e quando você precisa de oxigênio extra.

Principais abordagens utilizadas para controlar a apneia do sono

Existem diversas formas de se tratar a apneia do sono, para evitar que outros problemas ainda mais graves se desenvolvam. 

Entre as principais abordagens para controlar e tratar a apneia do sono, estão:

Controle de certas doenças

Para que o tratamento da apneia do sono seja mais efetivo, você precisará tratar as causas que possam estar desenvolvendo esse distúrbio do sono.

Doenças respiratórias, obesidade, amígdalas aumentadas ou alterações craniofaciais podem ser a causa da apneia do sono.

Procure um otorrinolaringologista para tratar de possíveis interferências no aparelho respiratório e evite o excesso de peso.

Aparelhos intraorais

Os aparelhos orais podem ajudar na apneia do sono, reposicionando a mandíbula ou a língua para manter as vias aéreas abertas enquanto você dorme.

As duas categorias principais são dispositivos de avanço mandibular e dispositivos de estabilização da língua. Eles atuam movendo a mandíbula inferior ou a língua para a frente para diminuir a obstrução na parte posterior da garganta.

Esses aparelhos variam de opções de baixo custo e sem prescrição médica, que podem ser encontrados em farmácias, a dispositivos personalizados por um dentista.

Cirurgia

As cirurgias podem ser uma opção para quem tem problemas como desvio de septo ou alterações craniofaciais mais graves.

Em casos mais graves de sinusite e rinite, a cirurgia também poderá ser indicada pelo médico.

Terapia com fonoaudiólogo

As terapias como o fonoaudiólogo pode ajudar a firmar os músculos da boca e garganta, evitando que a obstrução ocorra durante o sono, quando os músculos estão mais relaxados.

Mudanças no estilo de vida

Praticar mais exercícios e evitar o álcool e o cigarro, podem ajudar a reduzir os riscos de uma apneia do sono. 

A falta de exercício diminui o tônus muscular, fazendo com que a passagem de ar seja obstruída durante o sono e mesmo efeito pode ser observador em quem consome álcool. 

O álcool relaxa os músculos da garganta, obstruindo a passagem de ar durante o sono.

Aparelhos de pressão positiva

Os aparelhos de pressão positiva (CPAPs) oferecem um fluxo contínuo de ar, em pressão suficiente para abrir a passagem de ar até os pulmões, evitando a interrupção da passagem de ar.

Como funciona o aparelho CPAP para tratar a apneia do sono?

Máquinas modernas de CPAP funcionam com base nos mesmos princípios que os dispositivos iniciais para tratamento de apneia.

As pressões agora são geradas com motores menores e mais silenciosos. 

No entanto, nas máquinas mais modernas,  o ar ambiente (não precisa oxigênio portátil) é absorvido por um filtro e pressurizado de acordo com as configurações prescritas pelo médico ou especialista em sono. 

As máquinas são configuradas para fornecer uma pressão de 4 centímetros de pressão da água (CWP) até um máximo de 25 CWP. 

Esse ar é frequentemente passado através de um umidificador aquecido e enviado por meio de tubos à interface da máscara.

O fluxo constante de ar pressurizado cria uma almofada ao longo das vias aéreas superiores. 

O CPAP serve como uma tala pneumática (ar) que evita o colapso da garganta. Isso impede que o palato mole, a úvula e a língua se desloquem para as vias aéreas. Reduz a vibração que cria o som do ronco. 

Pode aliviar o inchaço no nariz e limpar o muco ao longo das vias aéreas. Ao apoiar as vias aéreas, a respiração normaliza e a qualidade do sono melhora à medida que o sono fragmentado é resolvido. 

Os níveis de oxigênio podem ser mantidos. As graves consequências da apneia do sono podem ser evitadas.

As máquinas AutoCPAP variam um pouco, pois podem detectar um colapso das vias aéreas medindo a resistência e reagindo aumentando a pressão conforme necessário durante a noite para resolver ainda mais a apneia do sono. 

Clique aqui e conheça os modelos e kits CPAP disponíveis na Mobiloc!

Dicas para prevenção da apneia do sono

Algumas dicas simples podem evitar os quadros de apneia obstrutiva do sono:

  • Mantenha o peso sob controle;
  • Pratique exercícios físicos com regularidade; 
  • Evite o consumo de álcool à noite;
  • Pare de fumar;
  • Evite dormir de barriga para cima; 
  • Se estiver roncando muito, procure um especialista.

Qual a relação entre ronco e apneia?

Durante o sono, os músculos da garganta tendem a relaxar, o que pode fazer com que o tecido mole na parte posterior da garganta bloqueie parcialmente as vias aéreas. 

Quando uma pessoa inspira, o tecido vibra, causando o som que todos conhecemos como ronco. Quanto mais estreita a via aérea se torna, mais alto é o som.

Quando a garganta está completamente bloqueada, ocorre uma apneia. O paciente para de respirar e o oxigênio é cortado para o cérebro. 

Isso faz com que o paciente acorde parcialmente (embora geralmente não retome a consciência) até que comece a respirar novamente. 

Esses incidentes podem se repetir várias vezes por hora. Isso não apenas evita um sono profundo e reparador, mas com o tempo causa desgaste físico e mental consistente para o corpo.

Pessoas com apneia do sono tendem a roncar com frequência e alto. Períodos altos de ronco podem ser seguidos por pausas silenciosas. 

Se o ronco for acompanhado de respiração ofegante, ou ronco engasgado, esse é um sério sinal de alerta.

Quais as principais consequências da apneia do sono?

A apneia obstrutiva do sono, quando não tratada, pode desenvolver diversos problemas de saúde, decorrentes da falta de oxigenação no cérebro.

Apneia mexe com o cérebro

A falta de oxigenação correta durante o sono atrapalha muito mais do que apenas as horas de descanso.

Uma pessoa que sofre de apneia do sono pode desenvolver estresse, depressão, ansiedade, além de ter mais chances de ter um AVC.

Aumenta o risco de acidentes

A apneia do sono pode causar maior cansaço e sonolência durante o dia. Estudos indicam que os distúrbios do sono possam ser os responsáveis por cerca de 20% dos acidentes no Brasil.

O sono é um reflexo involuntário do corpo para o cansaço. Pessoas que sofrem de apneia do sono podem dormir no volante mais facilmente e acabar se acidentando gravemente.

Faz a pressão decolar

A falta de oxigenação correta no sangue pode elevar a pressão arterial e desenvolver um quadro crônico de hipertensão.

De acordo com dados do Ministério da saúde, cerca de 50% dos pacientes de apneia do sono desenvolvem hipertensão. 

Sabota o trabalho dos rins

A falta de oxigenação correta causada pela apnéia do sono, pode promover o aumento da pressão arterial e da glicose no sangue.

A hipertensão e diabetes causadas pela apneia do sono podem interferir no funcionamento dos rins, levando aos quadros de insuficiência renal.

Apneia prejudica o coração

A hipertensão causada pela falta de oxigenação correta do sangue e pelas frequentes interrupções do sono, podem levar à uma sobrecarga do coração.

Os picos de hipertensão causados pelas constantes interrupções na respiração causam picos de sobrecarga, podendo levar à problemas cardíacos crônicos e até mortes súbitas.

Deixa os ossos fracos

Apneia do sono também pode causar problemas ósseos. Estudos apontam para a maior probabilidade do desenvolvimento de osteoporose em pacientes de apneia do sono.

Prejudica os dentes

Apneia do sono é uma das causas para a saúde bucal prejudicada. Dormir de boca aberta eleva a produção de saliva, deixando o pH da boca mais ácido e prejudicando a saúde dos dentes. 

Sabota a audição

Alguns estudos apontam para a apneia do sono como causa de surdez ou perda de audição. 

De acordo com um estudo feito dos Estados Unidos, cerca de 30% dos pacientes de apneia do sono perderam a audição e cerca de 90% apresentavam surdez de baixa frequência

Abala a ereção

A falta de oxigenação correta, o déficit de sono e o estresse que a apneia do sono pode causar, pode afetar até mesmo a vida sexual dos pacientes.

A apneia do sono prejudica a libido, causa danos nos vasos sanguíneos presentes no pênis e derruba a produção de testosterona.

Patrocina pneumonias

A interrupção da respiração durante a noite causa picos de ingestão de oxigênio, logo após o episódio de apneia. 

Isso facilita a entrada de microorganismos e partículas, que se alojam no pulmão e se aproveitam da baixa imunidade dos pacientes de apneia do sono, causando quadros de pneumonia. 

Estimula o câncer

Um estudo coordenado pela Universidade de Toronto, no Canadá, apontam para a apneia do sono como um estimulante para o crescimento de células cancerosas. 

Segundo os resultados obtidos até agora, a hipóxia poderia estimular a criação de vasos sanguíneos novos, que podem alimentar tumores existentes, deixando-os mais agressivos.

Eleva o açúcar no sangue

A apneia do sono pode prejudicar, também,  a produção de insulina no sangue. Como consequência, os níveis de açúcar no sangue ficam mais elevados.

Este quadro pode se tornar crônico, caso não seja tratado e o paciente se tornará diabético.

5 opções para tratamento da apneia do sono além do aparelho CPAP

O aparelho CPAP continua sendo o tratamento mais indicado contra a apneia do sono.

No entanto, diversas pessoas não conseguem usá-lo, uma vez que se sentem incomodadas com a máscara ou não têm a devida condição financeira para realizar sua compra/aluguel.

Pensando nisso, apresentamos 5 opções opções para tratamento da apneia do sono além do aparelho CPAP. Vale a pena conferi-las e compartilhá-las.

1. Perda de peso

A obesidade e o sobrepeso são duas condições que podem ser responsáveis pela apneia do sono.

Entendendo melhor: o peso em excesso é capaz de estreitar as vias respiratórias, o que dificulta a passagem do ar e, consequentemente, gera um terrível colapso.

É fundamental uma mudança no estilo de vida a partir de exercícios físicos regulares e uma alimentação balanceada.

Lamentavelmente, diversas pessoas, mesmo estando no peso ideal, possuem apneia do sono por causa de outros fatores fisiológicos.

2. Troca de posição

Neste tópico, apresentamos uma mudança que não exige muito esforço. Dormir de barriga para cima pode provocar ronco ou apneia do sono.

Se você está passando por este problema, busque deitar-se de lado enquanto usa, como apoio, almofadas altas.

Existe outra dica; coloque uma bola de tênis na parte de trás da camisa. Assim, após ocupar a cama, você se sentirá incomodado ao deitar-se de barriga para cima e, sem demora, retornará à posição indicada aqui. Reveja sempre a posição na qual você dorme.

Há pessoas que diminuem a apneia após elevar a cabeceira da cama. Para isso, é válido utilizar uma almofada tipo cunha, por exemplo.

Ou você pode comprar camas modernas, daquelas que podem ser ajustadas conforme o nível de elevação desejado.

3. Protetores bucais

É possível encontrar no mercado protetores bucais que são úteis para corrigir problemas anatômicos. Eles servem para pessoas que têm uma mandíbula muito pequena ou desalinhada.

Estes mesmos protetores mantêm a língua em sua posição natural, evitando qualquer bloqueio nas principais vias respiratórias.

Tais aparelhos bucais são produzidos nos consultórios dentários e devem ser utilizados à noite. Entretanto, eles podem causar efeitos colaterais: incômodos, secura bucal, dificuldades para mexer a mandíbula e outras dificuldades.

4. Evite sedativos e bebidas alcoólicas

Ou seja, consumir bebidas alcoólicas ou sedativos também pode causar apneia do sono, pois relaxam os músculos das vias respiratórias superiores.

Evitá-los antes de ocupar a cama aumenta as chances de diminuir o ronco e a própria apneia do sono.

O mesmo cuidado deve ser tido ao fazer uso de comprimidos para dormir ou certos analgésicos. Busque sempre a orientação de um médico antes de ingerir medicamentos – seja ele qual for! Dê prioridade ao tratamento consciente.

5. Cirurgia

Temos aqui uma opção um tanto polêmica. A medicina oferece diversos métodos cirúrgicos que servem para tratar a apneia do sono.

O mais comum atende pelo nome de uvulopalatofaringoplastia. Consiste na retirada do excesso de tecido presente na via aérea superior, incluindo a parte posterior da boca e garganta. Isso, aliás, pode acabar com o ronco, embora exista a chance de a apneia do sono não ser eliminada.

Dentre outras opções cirúrgicas, podemos citar a traqueotomia, a retirada das amígdalas e os procedimentos cirúrgicos destinados à mandíbula. Tanto crianças quanto adultos estão sujeitos aos processos operatórios.

Conclusão

A apneia do sono é um problema comum associado à diminuição da saúde geral e a um risco maior de complicações com risco de morte, como acidentes de automóvel, dificuldade de concentração, depressão, ataque cardíaco, derrame e morte súbita.

Dependendo da causa e do nível de apneia, existem diferentes métodos de tratamento, que podem ser desde exercícios, até tratamentos com CPAP

O objetivo do tratamento é normalizar a respiração durante o sono. A normalização da respiração tem os seguintes efeitos na apneia:

  • Elimina a fadiga diurna;
  • Ele remove alterações indesejadas da saúde mental da apneia ou falta de sono;
  • Evita alterações cardiovasculares causadas pelo excesso de tensão da respiração inadequada.

A apneia do sono não tratada e seus efeitos podem ter consequências graves, como doenças crônicas (hipertensão, diabetes), câncer e até mesmo a morte.

É muito importante observar o sono, tanto em adultos, como em crianças, para evitar as mais diversas consequências que a apneia do sono pode trazer à saúde.

Além disso, uma apneia do sono não tratada pode agravar ainda mais os quadros de saúde já existentes, causando problemas ainda maiores para os pacientes.

Qualquer pessoa com sonolência diurna excessiva ou outros sintomas de apneia do sono deve perguntar ao médico sobre seus sintomas.

Se você já foi diagnosticado com apneia do sono, é importante começar o tratamento o mais rápido possível e seguir com tratamento, de acordo com o médico.

Fale com um dos nossos especialistas e entenda qual é o modelo de CPAP ideal para você!

Confira nossos outros artigos:

1 comentário em “O que é apneia do sono? Conheça as causas e sintomas”

  1. Muito boa a matéria, gostei mto, PARE DE RONCAR AGORA!
    DORMIR BEM NUNCA FOI TÃO FÁCIL!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =

Rolar para cima